22
Dez 10

Escorria água pelas reentrâncias de cada telha e as duas janelas, de tamanho justo e à proporção daquilo que precisava ver, deitavam dormências para dentro da divisão. Eu não tinha desistido de nada porque não tinha o que deixar cair das mãos, e isso era talvez a liquidez racional que se consubstanciava.
Havia-o na secretária, muito austero como ela, como era preciso que fosse, ameaçando o leitoril com inclinações sequenciais. Contabilizo cinco metros da existência até mim, onde cabiam as estantes de branco cal e umas quantas babéis, e a suite muito corrosiva e fibrosa que entrou (embora não de igual modo) na equação.
Fui neutra, não anulando nada, quando lhe tirei os óculos, e a seguir desprezei o maço cinzento de papéis em cima do tapete. Não esperava conivência, uma conivência recta, mas ela acabou nos resguardar.

publicado por T. às 19:52

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Haverá sempre Paris
pisl
De Olhos Bem Abertos:
online
Prescrição para Laboratório
Tudo o que resta
tit
Em Espera
jcm cd
Insultos & Elogios para:
deolhosbemfechados@sapo.pt
No armário
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
DeOlhosBemFechados

Ver de perfil

4 seguidores

Procurar
 
Vale a pena abrir bem os olhos
blogs SAPO