06
Set 10

Naquela altura, não podia ainda materializar-te em consciência. Na verdade, a imaginação tem limites, e a minha está longe de ser excepção.
Foram anos contados a muitos espaços e, depois, seis meses de inevitável, porque incontrolável, deleite. A cidade parecia-me, então, difícil de agarrar. Apesar disso, e talvez por isso, pisei os seus lugares e procurei que aquele inverno fosse um curativo - o ponto de fuga, como sempre, produziu resultados miseráveis. Tratava-se de um mal menor. Seria fácil de prever. Mas  não tinha tido, convenhamos, graça nenhuma.
Deixei para trás Paris. A Cidade, essa, acabaria por a encontrar aqui mesmo, sem perceber a falta de equilíbrio entre o meu centro geográfico amoroso e tu.

publicado por T. às 01:15

Haverá sempre Paris
pisl
Tudo o que resta
tit
Em Espera
jcm cd
Insultos & Elogios para:
deolhosbemfechados@sapo.pt
No armário
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


DeOlhosBemFechados

Ver de perfil

4 seguidores

Procurar
 
Vale a pena abrir bem os olhos
blogs SAPO