29
Nov 09

Quando tu ainda eras apenas uma memória estranha na minha cabeça, antes de chegares, sem aparato e diluindo os espaços, eu julguei que poderia aproximar-me.

Quando vieste ao meu encontro, tentativa diminuta de materialização, sempre falhando por excesso de forçada forma, a visão toldou o sentimento, invertendo o processo.

Seria impossível ter antecipado qualquer compasso. Não cabe este nosso encontro em nenhuma pauta. E o que me assalta não é o medo. O que toma conta de mim são as palavras, que, sempre me tendo chegado, agora me falham, malditas.

Mesmo que te roubasse a bela partícula, o plágio não encontraria finalidade digna de realização. Ficariam duas letras aquém do que seja, que não sei o que seja, meu querido.

publicado por T. às 23:43

Haverá sempre Paris
pisl
De Olhos Bem Abertos:
online
Prescrição para Laboratório
Tudo o que resta
tit
Em Espera
jcm cd
Insultos & Elogios para:
deolhosbemfechados@sapo.pt
No armário
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
DeOlhosBemFechados
Procurar
 
Vale a pena abrir bem os olhos
blogs SAPO